Dois exemplos de “Peer assessment ” na Finlândia

logo

Dois exemplos  de “Peer assessment ” na Finlândia

giselda

Falar sobre avaliação é sempre um desafio. Tivemos várias sessões de Peer assessment  em minha estada na Finlândia, mas neste post eu vou compartilhar com vocês  apenas duas experiências com o tipo de avaliação chamada “Peer assessment  and  feedback”.  Mas o que isto significa ?

Peer assessment (avaliação pelos pares – colegas) é um processo no qual os  alunos  avaliam o trabalho de seus amigos por escrito  ou oralmente.  A avaliação por pares se refere às muitas maneiras em que os alunos podem compartilhar o seu trabalho criativo com os companheiros para feedback construtivo e, em seguida, usar esse feedback para rever e melhorar o seu trabalho.

campus

A primeira  experiência com este tipo de avaliação foi como observadora em uma sala de graduação em informática, da disciplina inglês instrumental, da HAMK University of Applied Science – Campus Valkeakoski. Antes de começar as apresentações, a professora deu instruções claras e estabeleceu prazos para entrega das críticas e sugestões em formato online. Os alunos  receberam os critérios de observação em forma impressa, e em seguida, houve algumas discussões sobre cada critério a ser utilizado, como por exemplo:

  • Sugerir aos alunos usarem os três passos para dar feedback: elogios, sugestões e correções;
  • Exemplificar alguns modelos de enunciados para orientar diferentes tipos de feedback na ferramenta online, tais como, (“Minha parte favorita foi…………. porque ……………………”). Depois de começar com algo positivo, os alunos apontariam as áreas que poderiam ser melhoradas em termos de conteúdo, estilo, voz e clareza (“A sugestão que eu posso oferecer para a melhoria é ………………”).
  • Enfatizar que um “feedback construtivo” é dar a sua opinião sobre áreas que precisam ser melhoradas, sem criticar a pessoa.

Neste contexto, os alunos foram avaliados por escrito e  de forma anônima pelos seus pares.

Vejam o pdf da planilha dos critérios utilizados nesta turma em ingles.pdf log

Eu estava acompanhada com a Professora Kaisa Puhakka.

12

Na segunda experiência  eu fazia parte do processo.  Ajudei na avaliação dos meus6 colegas e fui avaliada também. Tudo aconteceu na disciplina “Learning by design: Integrative learning process designs and constructions”, ministrada pelo professor Mr. Jouni Enqvist.

1O professor construiu uma planilha em sala de aula com os nomes dos alunos que iriam fazer críticas e sugestões dos nossos trabalhos oralmente. Antes de começar esse tipo de avaliação, o professor nos entregou algumas perguntas que nos ajudaram a determinar o tipo de feedback que daríamos aos nossos colegas depois das apresentações.

Vejam as perguntas norteadoras em inglês pdf log

3

111

Professora Essi Ryymin ajudando em outro exemplo de Peer Evaluation Rubric:word

pdf log

Peer Assessment link

Uma rápida conclusão:

Durante o processo desta experiência, além da aprendizagem de novos recursos4 avaliativos, foi possível também fazer uma reflexão sobre minhas avaliações. Esse conjunto de aprendizado e reflexão foi um estímulo para que eu planejasse outros modelos de avaliações quando retornar ao Brasil. Esta oportunidade de ver e dar feedback ao trabalho dos colegas é um processo de avaliação que eu nunca apliquei em sala de aula, mas é uma estratégia que pode nos levar a:

  1. Promover o pensamento crítico do aluno: à medida que aprendem a ler e ver o trabalho dos seus colegas com um “olhar crítico”, eles podem começar a aplicar esse “olhar” para seus próprios trabalhos;
  2. Capacitar os alunos para assumir a responsabilidade e gerenciar sua própria aprendizagem;
  3. Capacitar os alunos a aprender a avaliar e desenvolver competências de avaliação ao longo da vida;
  4. Melhorar a aprendizagem dos alunos através de troca de ideias;
  5. Motivar os alunos a se envolver com o conteúdo e com as apresentações dos pares;
  6. Melhorar habilidades de comunicação e estimula a colaboração;
  7. Envolver os alunos no processo de aprendizagem.
  8. Promove o fenômeno da agência no estudante e no professor: agência é um processo de desenvolvimento pessoal interativo entre agente e ambiente que envolve: autoestima, autoconfiança, exigência pessoal, credibilidade, identidade, subjectividade, autonomia, poder, esforço pessoal entre outros. A agência se reconhece na capacidade do sujeito perceber e refletir sobre seu comportamento e o comportamento do outro, planejar e executar ações e modifica-las em respostas às ações percebidas em seu ambiente.

Uma excelente atividade agentiva. Seja criativo e faça o seu modelo!

O nosso grupo de encontro de ” Peer assessment “..

00

Vocational Education and Training – VET – Professores Para o Futuro II

Eu, Giselda Costa, professora do Instituto Federal do Piauí (IFPI), participo do programa internacional  Vocational Education and Training – VET – professores para o futuro –  com a duração de  5 meses ( fevereiro a junho de 2015) financiado pelo Governo Federal Brasileiro e realizado na HAMK – University of Applied Sciences  na cidade de Hameelinna -Finlândia. A nossa pesquisa tem como base nas experiências de educação profissional do modelo finlandês integrado com setor de inovação e produtividade dos Institutos Federais do Brasil.

Minha homepage: click AQUI

 Mobile CellATSchool PLUS App ( Android) Project: Click AQUI

5

logo

My biggest challenge: teaching hearing-impaired

VET -teacher for the future

VET -teacher for the future

Teaching teenager who are hearing-impaired

Fonte Google

Fonte Google

My first class, my friend, math teacher, tell me : Do you know that you have a student with a disability in your class this year?.
– What kind?
– She is deaf.
I was a bit “lost”. There are five skills in language learning: reading, writing, sees, speaking and listening. I was worried how I was going to work with the last two… I was nervous of what to do.
I had never taught a deaf student before….
When I arrived in teacher room, her mother was waiting there. She told me about her daughter and something what she needs in class …. “this chat with her mother….it was my first class about teaching deaf student”.

What you must know about her, she said:

1- Put her at the front of the room so she has a clear view of you and can watch you as you are teaching.
2- She needs see you while you are talking. For her is very difficult when teachers write on the board and speak at the same time.
3- She become a little impatient if you asked for clarification or explication during the class.
4. She doesn’t know very well  Libras – (Brazilian sign language)

Fonte: Google

Fonte: Google

What she loves doing in her free time:

1-She loves her cellphone and PC
2- Facebook
3 She is not a shy girl

Adapted learning and teaching and my life

I have learned  some  actions … but it was ( is) very difficult

1- I prepared more visual aids – I prepared more PowerPoints.
2.-I stopped moving around the classroom. ( I used to circulate around the classroom during a lesson, talking as I like…. Sometimes, I even taught for a few minutes from the back of the room). Now my class is helping me…
3-I paid more attention in my comunication. Body language is very important.
4-I asked her to help me,  “a collaborative approach”….

Design activies… flexible and creative

1- I am doing design activities with cellphone (mobile learning)

My real life

My real life

2- With facebook  ( I have a close group with her)  I put some videos

3- Record some video.

4- Blog

5- WhatsApp

5- Activities with many images to  work  “visual literacy & critical thinkingl”

For exemple:  It is a plane ( transportation)  – She is a plane ( a beautiful girl)

It is a plane“….. It can be a plane as a means of transportion or a beautiful girl ….

The meaning of words depends on the context and culture

Fonte: Google

Fonte: Google

Fonte google

Fonte google

Fonte: Google

Fonte: Google

What I have learned:

Fonte: Google

Fonte: Google

-Be patient;
-They are great lip readers, but facial expressions are important.
-Use lots of pictures. These are visual learners.
-Speak in a normal tone
-Don’t speak while writing on the board. They needs to see my face
-Attract the student’s attention before speaking.
-Indicate when you are changing the subject.

About her?

She  a nice person… everybody in classe loves and help her… she demonstrats self-awareness, discipline, high levels of interest and engagement and self-regulation.

Important: now, in my school,  there are 2 LIBRAS interpreter to help us in class.

It is a hard work… I have learned with her very much…. and at the moment,  I have more ASK  than answer…

help me, please

help me, please

Special needs education – HAMK University – Finland

Ms Irmeli Lignell, Principal lecturer & Mr Simo Uusinoka, Principal lecturer

______________

Eu, Giselda Costa, professora do Instituto Federal do Piauí (IFPI), participo do programa internacional  Vocational Education and Training – VET  com a duração de  5 meses ( fevereiro a junho de 2015) financiado pelo Governo Federal Brasileiro e realizado na HAMK – University of Applied Sciences  na cidade de Hameelinna -Finlândia. A nossa pesquisa tem como base nas experiências de educação profissional do modelo finlandês integrado com setor de inovação e produtividade dos Institutos Federais do Brasil.

My home page: click AQUI

VET -teacher for the future

VET -teacher for the future

__________

Visual literacy & critical thinking: connections between school and real life

VET -teacher for the future

VET -teacher for the future

Critical thinking, a important skill for 21st century,  explores of language in many forms.

These practices show students that language is never neutral. Visual literacy is the ability to read texts in an active, reflective way to understand better  power, inequality, and injustice in human relationships. But it  differs from student to student because they have different interpretations.

                  

To the teachers:

-Teachers, through Visual literacy, can facilitate the development of critical thinking encourage students to social problem and institutions like family, poverty and education..

-Teachers who practice critical pedagogy provide a student- centered environment in which dialogue is  encouraged and the student can read multiple texts…

Design of Visual critical activity  ” Slum called Morro do Alemão”

Visual literacy  focuses on the relationships between language, power and  social problem, but the  students cannot think critically if they do not have the information about the topic.

Context:  Police invades  ” Morro do Alemão” – ( big slum) Rio de janeiro – November/ 2010

Fonte: Google - Morro do Alemão - Rio de Janeiro

Fonte: Google – Morro do Alemão – Rio de Janeiro

Source these pictures: Folha de São Paulo newspaper

Visual  literacy looks different in every classroom, based on the subject matter and the population of students, there is no formula for how teachers engage students in  critical literacy. YOU DO YOURS!

1- Motiation,    you can ask the students  about  social  problem in Morro do Alemão after  you can  show a videoclip ….. or a print text.. or a film…etc

 2- Answer the question in group 

Visual Literacy

Visual Literacy

1- What’s going on in this picture?

2- What are you  looking at?

Visual Literacy

Visual Literacy

3-which contrast the author shows in the picture?

Visual Literacy

Visual Literacy

4-How do you interpret the whole text?

5-Who could be the main audience?

Visual Literacy

Visual Literacy

6- What body language is shown by the people in the picture?

7-How do you interpret this text?

Visual Literacy

Visual Literacy

8- Based on what you know about, list three things you might infer from this photograph

Visual Literacy

Visual Literacy

9- What questions does this photograph raise in your mind?

10-what kind of comparison or equality  the author is showing? Explain the metaphor.

Visual Literacy

Visual Literacy

11-What is the relationship between the image and the displayed text message

12-Who could be the main audience?

Visual literacy

Visual literacy

13-What does this image mean to you?

14-Write a brief summary of what you think the photo is about.

3- The students will share the point of view among the groups with  help of  Dialogical approach.

Dialogical approach is a cooperative activity of reflection, transformation and sharing of idea in group and it helps the student to be a critical thinker.

4- The student will write  the answers  in their blogs and send the link to the teacher.

The students must have a blog . It is a kind  of strategy write with audience. Segundo Rower (2005). the most effective way to engage these students in learning is  just create an authentic audience, giving them a sense that someone else (besides teachers and parents) cares about their work. Authentic audience (other than the teacher) to improve student writing. and Audience  bring the agency. Rowen (2005, 22) discovered “Students take more care in their writing when they know their writing will be on display for all to see. Powerful interactions with real audiences allow students to receive feedback about their work and provide educators with an opportunity for authentic assessment.

5- The teacher , when  receive the link  students’ blog,  will share with colleagues  some  blog  to  that they can write to the student´s blogs their  opinion about the student´s work.

Short conclusion

For us, critical thinking  happens when students analyze and evaluate evidence, arguments, claims and beliefs. They can then learn how to make judgments and decisions based on others’ points of view ( dialigical methods), interpret information and draw conclusions. Freire  (2007) believed that students would not only become critically informed, but also ethically committed to transform their society. For  him, thinking critical  was mostly about “reading  the world”.

_________

Presentation

Disciplina: Learning by design: Integrative learning process designs and constructions

Teacher: Mr. Jouni Enqvist, Ph.D., Principal Lecturer

My Home page: Click AQUI

_____________________

Eu, Giselda Costa, professora do Instituto Federal do Piauí (IFPI), participo do programa internacional  Vocational Education and Training – VET  com a duração de  5 meses ( fevereiro a junho de 2015) financiado pelo Governo Federal Brasileiro e realizado na HAMK – University of Applied Sciences  na cidade de Hameelinna -Finlândia. A nossa pesquisa tem como base nas experiências de educação profissional do modelo finlandês integrado com setor de inovação e produtividade dos Institutos Federais do Brasil.

VET -teacher for the future

VET -teacher for the future

Ferramentas para ajudar na aprendizagem

VET- Teacher for the future - HAMK - Finland 2015

VET- Teacher for the future – HAMK – Finland 2015

Algumas ferramentas  para  aprendizagem

Ferramenta para aprendizagem

Ferramenta para aprendizagem

Colegas, fiz uma lista de algumas ferramentas para ajudar no seu trabalho em sala de aula…é só clicar. Tools for learning

e-book

Também tem um e-book exemplificando 20 ferramentas para professores online…o PDF está aqui: 20 ferramentas para professor online

Boa sorte!

_________________

Minha Homepage: click AQUI

Eu, Giselda Costa, professora do Instituto Federal do Piauí (IFPI), participo do programa internacional  Vocational Education and Training – VET  com a duração de  5 meses ( fevereiro a junho de 2015) financiado pelo Governo Federal Brasileiro e realizado na HAMK – University of Applied Sciences  na cidade de Hameelinna -Finlândia. A nossa pesquisa tem como base nas experiências de educação profissional do modelo finlandês integrado com setor de inovação e produtividade dos Institutos Federais do Brasil.

Reflexão como ferramenta de aprendizagem

VET- Teacher for the future - HAMK - Finland 2015

VET- Teacher for the future – HAMK – Finland 2015

Ms Essi Ryymin, Princiapal lecturer

Ms Essi Ryymin, Princiapal lecturer

Reflexão como ferramenta de aprendizagem

Hoje, 13 de fevereiro de 2015, participamos do “Group reflection”. Um tópico interessante sobre reflexão como ferramenta de aprendizagem.  Segundo Essi, ensino reflexivo significa olhar para o que você faz na sala de aula, pensar o porque você faz, e refletir se a técnica  funciona – um processo de auto-observação e auto-avaliação.Ensino reflexivo é, portanto, um meio de desenvolvimento profissional que precisa começa em nossa sala de aula.

2

Mas para que o professor seja um agente reflexivo ele tem que ter  quadro características:

1- Ser consciente: profissionais reflexivos estão conscientes de sua realidade. Isso significa que eles conhecem os seus alunos, o seu conteúdo e a sua pedagogia.

2- Ter  intencionalidade: Um bom profissional precisa de planejamento. Tudo o que um professor reflexivo faz é com intencionalidade, com propósito, para atingir um determinado resultado.

3- Ser um avaliador:  Profissionais reflexivos avaliam os resultados de seu trabalho o tempo todo, constantemente determinar a eficácia e as deficiências de seus esforços. Uma  reflexão profunda conduz a uma análise se certa estratégia  de ensino funcionou ou não.
4-  Saber agir:  Professores reflexivos  têm que saber agir – se estratégia x não alcançou resultado,  tem que por em prática a estratégia  y, ou seja, o professor  modifica  planejamento de aula, fornecendo comentários, fornece esclarecimentos e faz intervenções.

Como resultado da sua reflexão o professor  pode decidir fazer algo de uma forma diferente, ou  pode simplesmente decidir que o que  está fazendo é o melhor caminho. Então o ensino reflexivo é um processo cíclico, porque uma vez que o profissional  começar a implementar mudanças, então o ciclo reflexivo e avaliativo começa novamente.

102  giselda

Minha home page: click AQUI

________________________

Vocational Education and Training – VET – Professores Para o Futuro II

Eu, Giselda Costa, professora do Instituto Federal do Piauí (IFPI), participo do programa internacional Vocational Education and Training – VET – professores para o futuro – com a duração de 5 meses ( fevereiro a junho de 2015) financiado pelo Governo Federal Brasileiro e realizado na HAMK – University of Applied Sciences na cidade de Hameelinna -Finlândia. A nossa pesquisa tem como base nas experiências de educação profissional do modelo finlandês integrado com setor de inovação e produtividade dos Institutos Federais do Brasil.